segunda-feira, 15 de abril de 2013

Trecho 31 - Príncipe Mecânico

No trecho 31/45, trecho publicado por Cassandra antes do lançamento de Príncipe Mecânico em seu idioma original, temos o primeiro beijo em Tessa e Jem.


Lembre-se os trechos não possuem a tradução oficial, por isso, após a publicação do livro, você pode encontrar algumas diferenças nos termos, mas a essência se mantém.
Alguns desses trechos lançados são pequenas frases, outros são parágrafos ou cenas inteiras que foram deletadas na edição.

Curta sua leitura!



Ele se afastou para longe dela, e ela soltou sua mão, magoada. "Jem, o que aconteceu? Você não quer que eu te toque? "
"Não desta forma", ele falou rispidamente, e ficou ainda mais corado que antes.
"Como o quê" Ela estava honestamente confusa, este era um comportamento que ela poderia esperar por certo de Will, mas não de Jem: este mistério, esta raiva.
"Como se você fosse uma enfermeira e eu seu paciente.Você acha que porque eu estou doente que eu não sou como..." Ele respirou descompassadamente. "Você acha que eu não sei", ele disse ainda mais ofegante, "que quando você pega minha mão, é só para que você possa sentir o meu pulso? Você acha que eu não sei que quando você olha nos meus olhos, é só para examinar minhas pupilas e ver o quanto de droga eu usei? Se eu fosse um outro homem, um homem normal, eu poderia ter esperanças, até mesmo presunções, eu poderia..." Ele parecia ponderar as suas palavras, porque ele percebeu que tinha falado demais ou porque ele tinha ficado sem ar;
Ela balançou a cabeça, sentindo suas tranças fazer cócegas em seu pescoço. "Esta é a febre falando, não você."
Seus olhos se escureceram, e ele começou a se afastar dela. "Você nem mesmo consegue acreditar que eu poderia querer você", ele disse baixinho. "Que eu estou vivo suficiente, saudável o suficiente"
"Não" sem pensar, ela segurou seu braço. "James, isso não é o que eu quis dizer..."
Ele fechou seus dedos ao redor da mão dela que estava em seu braço. Sua própria mão queimado sua pele, tão quente como fogo. E então ele a virou para si e puxou-a para perto.
Eles ficaram cara-a-cara, peito a peito. O sopro de sua respiração fazendo seu cabelo se mover. Ela sentiu a febre saindo para fora dele, como névoa saindo para fora do Tamisa; sentiu sua corrente sanguínea através de sua pele, viu com estranha clareza o pulso em sua garganta, a luz sobre os cachos pálidos de seu cabelo descansando em seu pálido pescoço. Sentiu calafrios indo e vindo em sua pele, atordoando-a. Este era Jem - seu amigo, constante e confiável como as batidas do coração. Jem nunca fez com que ela sentisse calafrios ou fez o seu sangue acelerar seu caminho em suas veias ao ponto de se sentir tonta.
"Tessa", disse ele. Ela levantou os olhos para ele. Não havia nada estável ou confiável na expressão dele.  Os olhos prateados eram escuros, suas bochechas coradas. Quando ela levantou o rosto, ele trouxe o seu para baixo, os lábios dele se curvando junto aos dela, e mesmo ela tendo congelado com a surpresa, percebeu que estavam se beijando.