quarta-feira, 17 de abril de 2013

Trecho 41 - Príncipe Mecânico


No trecho 41/45 publicado por Cassandra Clare antes do lançamento de Príncipe Mecânico em seu idioma original.


Jem e Tessa passeando por Londres e falando de sua relação.



Lembre-se os trechos não possuem a tradução oficial, por isso, após a publicação do livro, você pode encontrar algumas diferenças nos termos, mas a essência se mantém.
Alguns desses trechos lançados são pequenas frases, outros são parágrafos ou cenas inteiras que foram deletadas na edição.

Curta sua leitura!


Eles finalmente desaceleraram o passo no canto sudeste da igreja. A luz de um dia chuvoso brilhava através da janelas rosa acima. "Eu sei que está com pressa para chegar à reunião do Conselho", disse Jem. "Mas eu queria que você visse isso." Ele fez um gesto em torno deles. "Canto do Poeta".
Tessa tinha lido a respeito do lugar, é claro, onde os grandes poetas e escritores da Inglaterra foram enterrados. E estava lá a tumba de pedra cinzenta de Chaucer, com sua copa, e outros nomes conhecidos: Edmund Spenser, que tinha escrito A Rainha das Fadas, "Oh, e Milton", ela suspirou, "e Coleridge, e Robert Burns, e Shakespeare -"
"Ele não está realmente enterrado aqui", Jem disse rapidamente. "É apenas um monumento."
"Oh, eu sei, mas -" Ela olhou para ele, e sentiu-se corar. "Eu não posso explicar isso. É como estar entre amigos, estar entre esses nomes. Um tanto bobo. . . "
"Nada bobo."
Ela sorriu para ele. "Como é que você sabe exatamente o que eu gostaria de ver?"
"Como eu não poderia?", Disse. "Quando eu penso em você, e você não está lá, eu vejo você em minha mente sempre com um livro na mão." Ele olhou para longe dela quando ele disse isso, mas não antes que ela percebesse o leve rubor em suas bochechas . Ele era tão pálido, ele nunca poderia esconder mesmo o menor rubor, ela pensou - e ficou surpresa com o carinho no pensamento.
Ela tinha se tornado próxima de Jem nas últimas duas semanas; Will estava cuidadosamente a evitando, Charlotte e Henry foram apanhados em questões de Clave e Conselho e ao funcionamento do Instituto - até mesmo Jessamine parecia preocupado. Mas Jem estava sempre lá. Ele parecia estar levando a sério o papel de guia em Londres: eles tinham ido a Hyde Park e dos Jardins de Kew, a Galeria Nacional e ao Museu Britânico, a Torre de Londres e do Portão do Traidor. Eles tinham ido ver as vacas serem ordenhadas em Saint James Park, os vendedores de frutas e vegetais em Covent Garden, tinha assistido do aterro do Thames os barcos velejando. E, como os dias se passaram, Tessa foi percebendo que estava saindo de seu silêncio, da encolhida infelicidade sobre Nate e Will e a perda de sua antiga vida, como uma flor brotando no solo congelado. Ela até se encontrou rindo. E ela tinha que agradecer a por isso.
"Você é um bom amigo", exclamou ela, e quando, para sua surpresa, ele não disse nada, ela disse: "Pelo menos, eu espero que sejamos bons amigos. Você pensa assim também, não é, Jem? "
Ele se virou e olhou para ela.